Vicariato Episcopal Norte




Mês da Bíblia: setembro

Aprofundamento para o Mês da Bíblia 2017



Tema e lema para o Mês da Bíblia 2017

Tema: para que n´Ele nossos povos tenham vida – Primeira Carta aos Tessalonicenses. 
Lema: Anunciar o Evangelho e doar a própria vida (cf. 1Ts 2, 8). 

Logo no início de 2017 publicaremos o texto base e também os roteiros para encontros bíblicos.

Grande abraço!
Deus abençoe sempre você, sua família, vocação e missão!

Pe. Antonio Marcos Depizzoli
Assessor da Comissão Episcopal Pastoral para a Animação Bíblico-Catequética
Conferência Nacional dos Bispos do Brasil
SE/Sul - Quadra 801 - Conjunto "B"
70200-014 - Brasília - DF







A Bíblia, desde sempre, faz parte da caminhada do povo de Deus. “É nela que penduramos todo o nosso trabalho”, conforme nos ensina frei Carlos Mesters. A partir do Concílio Vaticano II, marco fundamental para o florescimento de uma Pastoral Bíblica da Igreja no Brasil, a Bíblia foi conquistando espaço e recuperando sua condição de valor fundamental na vida e na missão da Igreja.
No Brasil, o desejo de conhecimento e de vivência da Palavra fez surgir, com muito sucesso, a prática da leitura e reflexão da Bíblia nas famílias, nos quarteirões, nos círculos bíblicos, em grupos de reflexão, grupos de rua.
O Mês da Bíblia, criado em 1971 com a finalidade de instruir os fiéis sobre a Palavra de Deus e a difusão da Bíblia, também foi fundamental para aproximar a Bíblia do povo de Deus. Propondo um livro – ou parte dele – para ser estudado e refletido a cada ano, o Mês da Bíblia tem contribuído eficazmente para o crescimento da animação bíblica de toda pastoral.
Em continuidade a esta história, a Comissão Episcopal Pastoral Bíblico-catequética da CNBB definiu que, no Mês da Bíblia dos próximos quatro anos (2012-2105), serão estudados os evangelhos de Marcos (2012), Lucas (2013) e Mateus (2014), conforme a sequência do Ano Litúrgico, completando com o estudo de João em 2015.
Esta sequência repete a experiência feita entre 1997-2000, por ocasião da celebração do Jubileu 2000. O enfoque, agora, é outro. Visa reforçar a formação e a espiritualidade dos agentes e dos féis através do seguimento de Jesus, proposto nos quatro evangelhos. Está tanto na perspectiva de discípulos missionários e da Missão Continental, conforme nos pede a Conferência de Aparecida, quanto no esforço da Nova Evangelização proposta pelo papa Bento XVI.
Cada evangelho será relido na perspectiva da formação e do seguimento, destacando o que é específico de cada evangelista, bem como da comunidade que está por trás de cada evangelho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário